A canadiana Lynn Hastings foi nomeada em dezembro de 2020 pelo secretário-geral, António Guterres, como coordenadora humanitária da ONU para os territórios palestinianos e adjunta do enviado para o Médio Oriente, Tor Wennesland.

"Fomos informados pelas autoridades israelitas de que não vão renovar o visto de [Lynn] Hastings após este expirar, no final deste mês", declarou Stéphane Dujarric, porta-voz de António Guterres, sem especificar se a responsável, instalada em Jerusalém, será substituída ou se continuará o seu trabalho a partir de outro local.

Apenas garantiu que a canadiana continua a ter a "total confiança" do secretário-geral.

"Viram alguns ataques públicos contra ela no Twitter [atual rede social X], que foram totalmente inaceitáveis", acrescentou.

No final de outubro, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel atacou Lynn Hastings referindo o seu nome na rede social X e acusando-a de não ser "imparcial" nem "objetiva".

"A retórica perigosa de Lynn Hastings está a pôr em perigo os civis inocentes israelitas e palestinianos", lia-se na mensagem, acompanhada de um vídeo lamentando que tenha sido incapaz de condenar o ataque de 07 de outubro a Israel pelo movimento islamita palestiniano Hamas com rapidez suficiente.

Outros representantes da ONU têm sido fortemente criticados por responsáveis israelitas desde o início da guerra entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza, desencadeada no início de outubro pelo ataque de proporções sem precedentes do movimento palestiniano em território israelita.

O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, instou várias vezes à demissão do próprio António Guterres. No final de outubro, anunciou também que Israel deixaria de conceder vistos a representantes da ONU "hostis" a Israel, um caso que, segundo disse, se aplicava também ao secretário-geral adjunto para os Assuntos Humanitários, Martin Griffiths.

Esta decisão foi tomada em resposta às declarações de Guterres perante o Conselho de Segurança da ONU, onde sustentou que os "horríveis" ataques de 07 de outubro do Hamas "não surgiram do nada", mas sim de "o povo palestiniano estar há 56 anos sujeito a uma ocupação sufocante", num contexto em que "as suas esperanças de uma solução política [para o conflito israelo-palestiniano] estão a desaparecer".

Em 07 de outubro, combatentes do Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) -- desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel -- realizaram em território israelita um ataque que fez mais de 1.200 mortos, na maioria civis, 5.000 feridos e cerca de 240 reféns.

Em retaliação, Israel declarou uma guerra para "erradicar" o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre.

A guerra entre Israel e o Hamas, que continua a ameaçar alastrar a toda a região do Médio Oriente, fez até agora na Faixa de Gaza mais de 15.000 mortos, na maioria civis, e mais de 33.000 feridos, de acordo com o mais recente balanço das autoridades locais, e 1,7 milhões de deslocados, segundo a ONU, mergulhando aquele enclave palestiniano pobre numa grave crise humanitária.

Na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, 248 palestinianos foram mortos desde 07 de outubro pelas forças israelitas ou em ataques perpetrados por colonos.

ANC // VAM

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.