"A situação que vivemos exige medidas corajosas, ao contrário do discurso encomendado por grupos económicos, o problema não está os impostos, está na possibilidade de aumentarem os preços como querem", sustentou o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, na primeira ronda do debate de política geral com o primeiro-ministro.

O dirigente comunista advogou que o Governo "até pode reduzir os impostos a zero", mas os grandes grupos económicos continuarão a aumentar os preços "se não forem tomadas medidas de controlo e fixação de preços" de "combate às margens especulativas".

E acrescentou: "O povo a pagar e os lucros a engordar".

Mas mais "inadiável ainda" do que a fixação de preços máximos em bens essenciais, para o PCP é necessário aumentar os salários e as pensões que perderam poder de compra este ano "face a mais de sete por cento de inflação previstos".

"Não se admite que o Governo tenha recusado repor o poder de compra perdido em 2022 e ainda tenha acrescentado a decisão de cortar as pensões já em 2023, face aos aumentos que a lei prevê [...], o Governo cai continuar a ser cúmplice desta extorsão dos grupos económicos?", questionou.

Na resposta, António Costa referiu as medidas que o Governo adotou desde janeiro, ainda antes do início da guerra na Ucrânia, como a redução do IVA nos combustíveis, as medidas de "redução nas tarifas de acesso à rede", e o conjunto de "oito medidas muito poderosas", como a atribuição de mais meia pensão em outubro, e o pagamento de 125 euros a cada cidadão que esteja no ativo e que ganhe menos de 2.700 euros.

"Não há nenhum corte [nas pensões], há um aumento [...], há uma coisa que as pessoas sabem: é que em 2022 apoiámos em tudo o que era possível, em 2023 vão ter um aumento como nunca tiveram neste século e em 2024 cá estaremos para seguir a mesma política que temos seguido desde 2016", continuou o primeiro-ministro.

"Se pudesse fazer um pouco de ironia, depois do seu discurso, da sua intervenção, das medidas anunciadas, das promessas ainda não cumpridas, poderia concluir-se que os trabalhadores ainda ficam a dever dinheiro ao Governo, tal como os reformados e os pensionistas, mas pronto, é a sua verdade, fica assim", ironizou Jerónimo de Sousa.

 

AFE // SF

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.