De acordo com o relatório trimestral sobre a inflação, divulgado em Brasília, a melhoria na previsão de crescimento reflete o aumento da despesa dos consumidores, motivada pelos subsídios governamentais, mesmo com a taxa de juro de referência a estar ao nível mais alto dos últimos seis anos.

Os mais recentes indicadores macroeconómicos conhecidos apontam para um terceiro trimestre melhor do que o esperado, depois da aprovação do pacote de estímulo orçamental para fomentar a procura interna, que não será suficiente para garantir um crescimento acima de 1%, no próximo ano.

Os banqueiros liderados por Roberto Campos Neto mantiveram a taxa de juro de referência nos 13,75% depois de um ciclo de aumentos da taxa nos últimos 18 meses, com apenas dois dos nove membros do banco a votarem por um novo aumento da taxa de juro de referência, de acordo com a agência de informação financeira Bloomberg.

As estimativas para a inflação ficaram inalteradas face à reunião de setembro, em 5,8% este ano e 4,6% em 2023, em ambos os casos acima das metas de menos de 3%, o que deverá acontecer no próximo ano, quando os preços para os consumidores subirem 2,8%, segundo a previsão do banco central.

A previsão mais recente para a subida dos preços, este ano, é de 7,69%, melhorando devido aos recentes cortes nos impostos sobre a gasolina e ao preço mais baixo das matérias-primas.

MBA // LFS

Lusa/Fim

A dose certa de informação. Sem contraindicações.

Subscreva a newsletter Dose Diária.

Esteja em cima do acontecimento.

Ative as notificações do SAPO.

Damos tudo por tudo, para que não lhe falte nada de nada!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #portalSAPO nas suas publicações.